Você é chefe de primeira viagem? Conheça 5 lições

empreendedora
Ser chefe não é uma tarefa fácil. De acordo com um estudo publicado pela Harvard Business Review, 70% dos novos chefes correm o risco de acabar com a própria carreira como executivo logo nos primeiros meses. Para a coach executiva, Eva Hirsch Pontes, isso não é novidade. “O estudo só mostra algo que já tínhamos percebido há muito tempo”, afirma sobre a vulnerabilidade desses novos chefes.

Para a especialista, um aspecto a ser desenvolvido é a conversa. Uma boa comunicação entre o líder de primeira viagem e sua equipe é essencial. Eva, inclusive, cita um trecho de um livro de Judith Glaser que leu durante sua carreira e que fala mais sobre o assunto. No livro “Conversational Intelligence: How Great Leaders Build Trust and Get Extraordinary Results”, Judith Glaser afirma: “Alcançar o próximo patamar de excelência depende da qualidade de nossa cultura, que depende da qualidade de nossos relacionamentos, que depende da qualidade de nossas conversas. Tudo acontece através das conversas.”

Veja cinco pontos que merecem atenção se você virou chefe:

  1. Colaboração

A partir do momento em que vira líder de uma equipe, o empreendedor terá novas obrigações e não conseguirá dar conta de todas as outras tarefas que fazia antes. A insegurança faz com que os jovens tentam fazer de tudo e abandonem sua principal tarefa, que é delegar. “Ele não toca mais na orquestra. Agora, ele é o regente que precisa garantir a harmonia de seu time para alcançar o sucesso”.

  1. Perguntas

Como autoafirmação, esse tipo de profissional tenta mostrar para aqueles que estão ao seu redor que ele sabe tudo. “Muitas vezes, esse líder descarta outros métodos para realizar uma atividade. Existem outras maneiras para chegar a um mesmo resultado”, diz Eva. Em vez disso, ele pode fazer perguntas para seus funcionários e, mais do que isso, mostrar que está atento às respostas.

Segundo a coach, “mesmo um líder continua sendo sempre um aprendiz. Todos têm um grande aprendizado pela frente.” Além disso, o incentivo a esse tipo de comunicação aumenta o engajamento da equipe com a evolução da empresa.

  1. Impacto

“Muitos desses jovens não entendem que, a partir do momento em que foram promovidos ou comandam suas empresas, suas palavras e ações têm impacto diferente para sua equipe”, diz Eva. Na hora de dar sua opinião, ela será absorvida de uma forma diferente. Portanto, é preciso tomar mais cuidado com a forma que os comentários são feitos para evitar insegurança.

Uma boa forma de fazer com que os funcionários tenham respeito, mas não temam esse líder, é ter uma postura de humildade e colaboração. Estar aberto a receber feedback também é essencial para ver o que a equipe está achando de seu trabalho e se ajustar para sempre melhorar.

  1. Expectativas

Virar chefe de uma hora para a outra pode balançar as pessoas. Internamente, ele se sente a mesma pessoa e, muitas vezes, gostaria de manter suas relações inalteradas. O contrário também pode acontecer e essa pessoa se tornar rigorosa e temida pelos funcionários. “Ele pode ser muito mocinho ou muito duro. É preciso esclarecer para todos qual é o seu papel e o que espera de sua equipe. Dessa forma, ele não dá espaço para as pessoas adivinharem o que ele quer”, diz Eva.

  1. Heroísmo

Tentar agir como super-herói sozinho é um grande peso nas costas de qualquer chefe e traz ansiedade e insegurança. Nessas horas, é bom buscar aconselhamentos do resto da equipe, que também está interessada na melhora do empreendimento. “Esse jovem líder vai errar com a equipe. É normal. Basta pedir desculpas e assumir o erro. Seja modelo e construa a sua credibilidade mostrando que você é humano”, afirma Eva.

Tentar esconder os erros pode ser uma péssima escolha, pois, uma hora, todos vão descobrir o que realmente aconteceu. Isso faz com que o chefe perca a credibilidade.

Fonte: Pequenas Empresas & Grandes Negócios

 

Anúncios

3 dicas para ter sucesso nas negociações

metasNegociar é uma habilidade que se aprende. Não à toa, existe na Universidade de Stanford, nos Estados Unidos, um curso específico sobre o tema, ministrado pela professora Maggie Neale.

Maggie afirma que nunca devemos aceitar de primeira o que nos é oferecido. Segundo a professora, é preciso sempre estar atento às possibilidade de qualquer negócio. Um exemplo dado por ela à revista Inc é a diferença de salários entre homens e mulheres com MBA.

Segundo Maggie, mulheres com MBA ganham até 7% menos que homens com a mesma formação. No entanto, as mulheres poucas vezes negociam seus salários. A professora afirma que elas, ao decidirem discutir o valor que irão receber, conseguem aumentar a quantia em até 7%, o que retira a diferença entre os salários de homens e mulheres. Veja abaixo as três principais dicas que a professora ensina em suas aulas.

Trace uma meta

Escolher o objetivo principal de uma negociação é essencial para que o foco não seja perdido durante o processo. Maggie afirma que quando o empreendedor tem suas metas definidas, ele consegue direcionar suas ações para essa finalidade e não se acomoda com resultados menores.

Por outro lado, a professora também alerta ser prejudicial definir metas ambiciosas demais. Criar expectativas muito altas em uma negociação, pode fazer com que o empreendedor sinta que seu resultado foi ruim, mesmo se ele tiver um desempenho excelente no processo.

Concorde mais

“Se existe uma palavra poderosa nas negociações, ela não é ‘sim’ nem ‘não. É ‘concordo’”, disse Maggie à revista Inc. A professora explica que quando os dois lados da mesa se entendem, há mais chances do negócio avançar.

Dizer mais vezes “concordo” é uma maneira eficaz de criar um ambiente positivo na negociação, mas é preciso tomar cuidado para que não se abra mão do que se quer conquistar. Por isso, a dica dada por Maggie, é que o empreendedor defina, logo no início do processo, alguns pontos de consenso que tem com o outro lado da mesa. Assim, será possível concordar com mais tópicos no começo da negociação e deixar os mais divergentes para o final.

Contrate uma mulher para negociar

A professora de Stanford afirma que quando um cliente escolhe uma mulher para representá-lo em uma negociação, os resultados são até 23% melhores do que quando esse papel é feito por um homem. Isso indica, inclusive, a importância de se ter mais mulheres em cargos de gerência.

Fonte: Pequenas Empresas & Grandes Negócios

Dica de leitura: Virando a própria mesa

virando-a-propria-mesa-ricardo-semlerO livro “Virando a própria mesa” promove a discussão sobre o relacionamento e as diferenças entre multinacionais e empresas brasileiras, aponta os vícios que levam companhias importantes à bancarrota e aconselha pequenas atitudes geradoras de grandes resultados – tirar folga durante metade de um dia qualquer, por exemplo; abolir o cartão de ponto; investir em leitura; encarar os funcionários como seres humanos.

Princípios e virtudes que, combinados com o conhecimento de antigas teorias, são capazes de trazer para o campo da administração um futuro mais justo e lucrativo.

Sempre com humor e reconhecendo erros de percurso, as críticas do autor abrem um amplo debate sobre os conceitos adotados atualmente no Brasil, atingem programas de qualidade total, considerados por ele ineficientes, hierarquias desnecessárias, controles rígidos de pessoal, admissões e promoções equivocadas, procedimentos obsoletos e estratégias que não levam a lugar nenhum, mas usuais nas empresas brasileiras, a maioria atrelada a esquemas familiares e modismos estrangeiros, cada dia mais distantes da realidade do país.

Prêmio dá R$ 10 mil, aparelhos e assessoria para empresárias de baixa renda

O Prêmio Consulado da Mulher de Empreendedorismo Feminino vai selecionar dez empresas do ramo de alimentação geridas por mulheres de baixa renda para dar a quantia de R$ 10 mil, eletrodomésticos (de acordo com a necessidade do negócio) e assessoria em negócios grátis por dois anos.

As inscrições estão abertas até o dia 10 de abril, pelo site (http://zip.net/bxs3yR, url encurtada e segura).

Para participar, é necessário atender aos seguintes critérios: trabalhar em rede (por exemplo, utilizar matéria-prima de outros empreendedores); atuar no segmento de alimentação; ter liderança feminina; trabalhar de forma sustentável; ter parceria com entidades sem fins lucrativos e renda per capita igual ou inferior a um salário mínimo mensal.

Em maio, serão divulgadas as pré-selecionadas, que receberão visita técnica para comprovar as informações apresentadas. As aprovadas serão apresentadas em julho.

“O prêmio tem como objetivo fortalecer o empreendedorismo popular feminino. Com isso, oferecemos oportunidades a todas as mulheres que sonham em prosperar e melhorar o dia a dia de sua família e comunidade”, diz Leda Böger, diretora-executiva do Instituto Consulado da Mulher.

empreendedoras-apoiadas-pelo-consulado-da-mulherO Consulado da Mulher é uma ação social da marca Consul. O prêmio está na quarta edição.
Fonte: UOL

Mantenha sua equipe motivada. Veja 3 estratégias

estratégiaRecentemente, li um belo artigo escrito pelo especialista em gestão de pessoas Alexandre Rangel para o site da Exame. O profissional fala sobre como manter sua equipe motivada. Ele dá três dicas (todas “gratuitas”).

Segundo ele, o ser humano tem três necessidades fundamentais, que devem ser atendidas no ambiente de trabalho: ser ouvido, ser reconhecido e poder aprender com os próprios erros. É um texto interessante que fará qualquer empreendedor refletir sobre o assunto. Clique aqui. E boa leitura!

3 dicas para administrar a página da sua empresa no Facebook

Para a especialista em marketing digital, Camila Porto, de 27 anos, uma das principais dificuldades de quem começa uma página de empresa no Facebook é saber exatamente que tipo de conteúdo postar.

facebook

“Algumas pessoas acham que só devem postar coisas sobre o produto ou serviço que estão oferecendo. Outras acham que só é válido postar um conteúdo muito produzido e elaborado.” A verdade, diz, é que existem muitos mitos em relação às redes sociais.

Autora do livro “Facebook Marketing: como gerar negócios na maior rede social do mundo”, Camila leciona cursos online sobre a rede social desde 2012. De lá para cá, mais de cinco mil alunos já receberam instruções da especialista sobre como atuar na plataforma. “No último ano, recebemos cerca de 250 novos alunos por mês”, diz.

Foi ao longo desse tempo que ela notou que muitas pessoas acabam criando uma impressão errada sobre o que é o Facebook e como a plataforma funciona. “Muita gente não entende que o Facebook é sobre relacionamentos. Não adianta sair vendendo e postando o que você quer. É preciso construir uma relação com aqueles que estão na página.”

A seguir, a especialista enumerou algumas dicas sobre como administrar a página de um negócio no Facebook:

Siga a regra do 8/2 – e não seja óbvio
A cada 10 posts na rede social, oito devem ser sobre conteúdos relacionados ao negócio. Apenas dois devem ser sobre o produto ou serviço oferecido pela empresa. “As publicações sobre conteúdo não precisam ser tão óbvias. Se você tem uma academia, por exemplo, não adianta postar que exercício físico faz bem para a saúde. Quem já curte a sua página, sabe disso”, afirma. Em vez disso, a especialista sugere postar informações mais específicas e que sejam interessantes para quem está na página. “Se você conhece muito bem a área que atua, procure aquilo que te deixa surpreso ou que você acha interessante. Você pode ser o seu próprio ‘funil’ do que postar ou não.”

Trabalhe para “matar objeções”
A pessoa que não consome o que você oferece muitas vezes tem uma objeção em relação a seu produto. “Por exemplo, muita gente não gosta de alimentos naturais porque são caros ou porque são ruins.” Uma boa ideia, então, é aproveitar os posts para descontruir os mitos. “Você explica para o sujeito porque ele está errado. Muitas vezes, ele nunca pensou direito sobre o assunto e, quando você traz argumentos, ele se torna um cliente.”

Tudo é conteúdo
Ter uma boa página no Facebook não significa gastar dinheiro com a produção de conteúdos para serem postados. “Grave uma dica para o seu cliente, tire uma foto dos novos produtos que chegaram no estoque”, diz Camila. “É interessante mostrar algum bastidor da empresa para o consumidor, mostrar a cara do dono. Isso tudo torna a empresa mais próxima do internauta, gera uma conexão.”

Fonte: Pequenas Empresas & Grandes Negócios

No Dia Internacional da Mulher, Eliane Nóbrega é entrevistada na RIT TV

eliane nóbregaNo Dia Internacional da Mulher, Eliane Nóbrega será uma das entrevistadas do Nosso Programa, que é transmitido de segunda à sexta, a partir das 14h05. O programa desta terça-feira é especial e mostrará as conquistas femininas.

No programa, Eliane Nóbrega contará, por exemplo, como deixou de ser diarista e transformou a Nobre Demolidora em referência no setor quando se fala em demolição sustentável.

O programa começa às 14h05 e pode ser sintonizado pelo sinal UHF (Em SP canais 30, 40), NET SP (12),  NET BH (15), NET MANAUS (08), SKY (161),  VIVO TV (235), CLARO TV (131), OI TV (138), CTBC (715), além de antenas parabólicas.

Assistam!