Santander libera R$ 15 bilhões em créditos para pequenas e médias empresas

Uma boa notícia para o empreendedorismo brasileiro. O banco Santander anunciou na semana passada a liberação de R$ 15 bilhões em créditos para pequenas e médias empresas brasileiras. O valor faz parte de um pacote da instituição para melhorar o atendimento aos empreendedores. Um portal com cursos online, oferta de profissionais e integração com empresas de outros países também foi lançado.

O montante de R$ 15 bilhões será disponibilizado para todas as linhas de crédito do banco, que incluem capital de giro, antecipação de recebíveis, abertura de empresas, ampliação e compra de máquinas e equipamentos. O Santander, no entanto, não quis informar a taxa de juros para as linhas de crédito oferecidas nem se haverá alteração em relação às tarifas vigentes.

A instituição pretende também simplificar a concessão dos empréstimos, com liberações automáticas a depender dos valores e perfil do tomador.

“Iremos apoiar um segmento que contribui de forma decisiva para o crescimento econômico e social do país. Nosso objetivo é nos tornarmos líderes no crédito a pequenas e médias empresas”, disse Jesús Zabalza, presidente-executivo do Santander Brasil. O banco tem, aproximadamente, 700 mil pequenos e médios negócios na carteira de clientes.

Na tentativa de desburocratizar os serviços, o banco reduziu para dois dias o prazo para abertura e liberação da conta pessoa jurídica.

Banco vai subsidiar estagiário para pequenas empresas

O anúncio feito pelo banco inclui uma linha de serviços não financeiros. O programa Avançar trará um portal no qual empreendedores clientes da instituição terão acesso a cursos online, busca e oferta de vagas de emprego e estágio e a possibilidade de realizar negócios com empresas de outros países.

Como parte do programa, o banco poderá subsidiar por quatro meses os custos de um estagiário selecionado pelo empresário para trabalhar na empresa. Serão 500 estagiários ainda em 2015 e a previsão é chegar a 3.000 nos próximos três anos, segundo a instituição.

“Nosso objetivo é ir além da oferta de produtos e serviços. Queremos oferecer diferenciais que agreguem valor às pequenas e médias empresas, seus proprietários e funcionários”, diz Ede Viani, diretor responsável pelo programa. A mesma plataforma já exite em outros países onde o Santander atua, como Espanha, Reino Unido e México, e será integrado ao sistema brasileiro.

Fonte: UOL Economia

Anúncios

7 princípios para fazer sua empresa decolar

internet

Abrir um negócio próprio é o sonho de muitos brasileiros. Porém, antes de se aventurar no empreendedorismo, é importante se cercar do máximo de informações para não entrar para as estatísticas ruins.

O erro mais comum é não elaborar um plano de negócio, que envolve conhecer o público alvo, produto oferecido, nuances do mercado, entre outros pontos. Veja abaixo uma lista com sete dicas valiosas para quem deseja empreender. Confira:

1. Escolha os seus produtos a dedo

Seu produto é o objeto essencial para uma venda, por isso, ele precisa ser de qualidade para não afetar os passos seguintes, como a sua reputação, por exemplo.

2. Saiba quem é seu público

Depois de definir seus produtos, você precisa saber o perfil dos clientes que compram esse tipo de produto. Uma loja de autopeças, por exemplo, terá uma grande busca masculina.

3. Divulgue sem parar e em todo lugar

Depois de definir seu público e saber do que ele gosta. Coloque anúncios em blogs e redes sociais, não tenha medo, seu cliente precisa saber que você existe.

4. Seja amigo do seu cliente

Pronto, você sabe o que vende e sabe quem compra seus produtos. Agora é o momento de manter uma relação amigável com o seu cliente, lembre-se que se ele comprar e gostar, obviamente você terá um cliente fiel, e não existe nada mais importante do que um cliente que sempre volta.

5. Saiba resolver os problemas

Problemas são fatores indesejáveis em uma venda, mas por muitas vezes, isso acaba acontecendo e você não sabe como e nem quando um problema vai surgir. No caso, esteja sempre preparado, seja simpático e demonstre que está a total disposição do seu cliente.

6. Dê assistência ao seu cliente

Nas primeiras vendas sempre dê dicas de como utilizar o produto e diga as suas vantagens. Converse com o cliente e deixe-o pensar que você está interessado em ajuda-lo a ter a melhor opção e não a vender, isso é um grande diferencial.

7. Use software para ajudar na gestão

Hoje em dia, existem softwares que facilitam em mais de 50% o seu trabalho, muita coisa com o qual você tinha que se preocupar é substituído por um software que faz por você, assim, você terá mais tempo para os seus clientes.

Fonte: Exame

Saiba como montar um negócio enquanto você ainda está empregada

Oito em cada dez brasileiros pretende empreender, segundo o consórcio Global Entreneurship Monitor (GEM). Se você faz parte desse time, há algumas ações necessárias para montar o seu negócio enquanto você ainda está empregado. Confira como tratar o trabalho como uma fase de transição para o empreendedorismo.

empreendedora mulher

1- ENCONTRAR UM SÓCIO

Ninguém é bom em tudo. Quem não gosta de finanças não precisa virar especialista na área, e sim aprender o básico para acompanhar o desempenho do negócio. Avalie se, apenas com suas habilidades, a empresa pararia de pé. Se a resposta for negativa, busque um sócio que complemente as que você não tem. “Um sócio divide o risco e acrescenta competências”, afirma Rafael Souto, diretor da Produtive, consultoria de planejamento e transição de carreira, de São Paulo.

2 – PLANEJAR AS FINANÇAS

Um ponto vital de um plano de negócios é definir quanto dinheiro será necessário para abrir a empresa e cobrir suas despesas nos primeiros meses. Defina o capital de giro e o dinheiro que será preciso guardar antes para investir durante o período em que o mês fechar no vermelho. Ter déficit é uma situação normal no começo da operação. Ter uma boa reserva será essencial para empreender no curto prazo. Em um ano de economia parada, como 2015, é mais difícil angariar recursos com sócios, investidores ou no banco.

3 – ESQUECER DO SALÁRIO

A instabilidade financeira é o maior choque de realidade sentido por quem deixa para trás um emprego fixo. “No começo, mesmo quando o dinheiro entra, o dono é o último a receber”, diz Rafael, da Produtive. O ideal é juntar uma reserva financeira para cobrir os gastos pessoais durante ao menos 24 meses. “É importante analisar seu estilo de vida e fazer uma lista do que pode abrir mão para reduzir o custo fixo”, diz Renata, da Endeavor. “Considere quais são suas fontes alternativas de renda, como prestar consultoria ou dar aulas.”

4 – PREPARAR A SAÍDA

Conciliar as tarefas do escritório com o planejamento do negócio é uma rotina comum para quem quer empreender. Esses meses de jornada dupla são críticos: uma hora a energia acaba, o que compromete o desempenho. “Se o plano B atrapalhar seu trabalho, será um problema”, diz Augusto Puliti, da DM Seleção. Nessa fase, é melhor ser conservador e não abraçar mais tarefas. “Não lute por promoções nem se exponha a projetos que consumirão seu tempo para não recuar do plano de empreender”, diz Rafael, da Produtive.

5 – ENCARAR A BUROCRACIA

Em uma grande empresa, os departamentos de RH, jurídico e contábil absorvem a burocracia (contas, contratações, impostos etc.). Um empreendedor não tem esse luxo: a papelada sobra para ele. Abrir empresa é um rolo no Brasil. Na etapa de planejamento do negócio, é bom se informar sobre trâmites como tirar licença de funcionamento — que pode levar alguns meses —, contratar pessoas e pagar os impostos. “Aprender a lidar com a burocracia é um dos maiores desafios dos empreendedores”, afirma Renata, da Endeavor.

Fonte: Exame

5 maneiras de fazer o cliente dizer “sim!”

clientes empreendedorismo

Vender um produto ou serviço não é uma tarefa simples. Afinal, é preciso conquistar o consumidor. A maioria das pessoas é apaixonada por fazer compras. Mas, na hora em que os clientes descobrem o preço do produto ou serviço, muitos pensam se aquilo é mesmo necessário. Para evitar objeções do tipo, existem algumas técnicas para que seus clientes sempre digam “sim!” para suas ofertas:

1) Demonstre simpatia

Os clientes são mais propensos a dizer “sim” se eles conhecem a pessoa que está tentando vender algo e gostam dela. É por isso que tantos comerciais de TV usar celebridades para participar de suas propagandas. Uma maneira de ser um vendedor simpático é mostrar um verdadeiro interesse nos seus clientes. Eles devem se sentir únicos e especiais. Uma dica é conhecer as características do freguês, mas sem parecer intransigente.

2) Conheça bem o que vende

As pessoas estarão mais dispostas a comprar se o atendente demonstrar conhecimento especializado no assunto. Isso dará credibilidade ao vendedor. Há muitas maneiras de criar essa impressão. Uma delas é realmente se tornar um especialista no seu ramo de atuação. Pesquise o assunto, teste os produtos e tente sentir as reais sensações de um consumidor.

3) Faça favores ao cliente

As pessoas se sentem obrigadas a dizer “sim” para aqueles que um dia já lhe fizeram algum favor. No mundo dos negócios, uma maneira de retribuir é conseguir um novo cliente para o seu consumidor ou mesmo conceder-lhe tratamentos especiais como formas de pagamento e descontos. Mas é importante ressaltar que a criação de um senso de obrigação em devolver um favor não deve ser explícita. O desejo sincero de ajudar (em vez de ser ajudado) é percebido pelos clientes, que, como consequência, respondem positivamente e se tornam fiéis ao negócio e ao vendedor.

4) Mostre que outros clientes estão felizes ao comprar produtos da sua empresa

Os clientes são mais propensos a comprar quando sabem que outras pessoas – assim como eles – compraram determinado produto ou serviço e estão felizes com a aquisição do item. Por isso, é importante que o vendedor dê exemplos de clientes satisfeitos para que a compra seja realizada com maior rapidez.

5) Faça ofertas raras

A maioria dos clientes valoriza ofertas raras e únicas. Uma maneira de fazer isso é proporcionar ofertas por tempo limitado e ressaltar a data do término. Isso faz com que os clientes entendam que essa pode ser a sua última chance de realizar a compra de determinado produto ou serviço.

Fonte: Pequenas Empresas & Grandes Negócios

4 motivos que fazem as ideias simples serem as melhores

É muito comum ver aspirantes a empreendedores em busca de ideias revolucionárias. Há dois pontos que devem ser levados em conta por quem está começando. O primeiro é que, provavelmente, a ideia não é tão disruptiva assim. E o segundo é que buscar algo complexo demais pode ser ruim. A opinião é do empreendedor e mentor Stephen Key.

ideias simples

Em artigo do site da revista “Inc.”, Key afirma que as ideias simples sempre são as melhores, especialmente para quem está começando. Para ele, é melhor aperfeiçoar um produto ou serviço já existente do que ir atrás de algo inteiramente novo. Veja abaixo os motivos dele:

1. O mercado já existe

Um empreendedor pode ter uma ideia que, ao que lhe parece, é incrível. Mas pode se decepcionar ao perceber que ninguém concorda com ele. Ao empreender em mares já conhecidos, você já sabe que haverá demanda pelo seu produto ou serviço.

2. Você não precisa “evangelizar” ninguém

Em outros casos, há demanda para um algo mais complexo. Só que ele é tão visionário que os próprios consumidores não entendem muito bem por que comprar o que você vende. Talvez você até tenha que ensiná-los a usar seu produto. Para isso, é preciso gastar com funcionários e anúncios.

3. O custo final é menor

Veja, por exemplo, o que acontece com lançamentos tecnológicos. Eles normalmente saem de fábrica com preços bem altos. Ao criar um produto com base e outro já existente, você poderá estabelecer um preço final mais honesto.

4. A produção é mais fácil

Quem projeta um produto material, não um aplicativo digital, vai precisar contratar uma indústria para a fabricação do dispositivo. Ao criar algo novo, o empreendedor terá que pagar pelo desenvolvimento de todos os equipamentos que farão a produção em massa do aparelho em questão. Quando você só aperfeiçoa o que já existe, as fábricas estarão bem mais preparadas para atendê-lo.

Fonte: Pequenas Empresas & Grandes Negócios

Os 5 erros que um chefe não deve cometer

Vamos mostrar quais são os cinco erros mais comuns cometidos pelos gestores de primeira viagem que podem enfraquecer a sua gestão e manchar o seu currículo.

chefe empreendedora

1.  IR COM MUITA SEDE AO POTE

Chegar com tudo e fazer mudanças sem consultar ninguém gera mais resistência do que engajamento. “O  líder valorizado se coloca como articulador para gerar decisões benéficas para todos”, diz Rafael Souto, da Produtive, consultoria de gestão e carreira de São Paulo.

2. BANCAR O SUPER-HOMEM

Por insegurança, falta de humildade ou medo de ficar vulnerável diante dos subordinados, muitos novos chefes se recusam a pedir ajuda em situações que não dominam completamente, como alguma tarefa operacional. Isso pode causar problemas como atraso no processo, erro na tomada de decisão e risco de passar a imagem de arrogante ou incompetente.

3. ACUMULAR TAREFAS

Quando o profissional passa de subordinado à chefia de uma área da qual tem domínio, resistir à vontade de colocar a mão na passa é um desafio. “Para agilizar o andamento do trabalho, é comum assumir tarefas que são da responsabilidade dos outros”, dis José Claudio Securato, da Saint Paul Escola de Negócios, de São Paulo. “Corre-se o risco de passar a imagem de chefe centralizador”.

4. DESCONSTRUIR O ANTECESSOR

Tentar impor seu estilo de liderança desvalorizando a gestão anterior só vai colaborar para criar uma imagem de antipatia com o time. É importante entender como a área funcionava antes da sua chegada, mas, para introduzir mudanças necessárias e atrair resultados positivos, não se deve levantar comparações ou críticas destrutivas.

5. FICAR ACOMODADO

Nem pense que a partir de agora sua rotina será dar ordens e cobrar resultados. Aprodundar-se na área que acabou de assumir, compreender a parte técnica, no caso de ter perfil mais gerencial e vice-versa, e ter uma visão global do trabalho vai salvá-lo de se tornar um chefe superficial – e, possivelmente, com prazo de validade curto.

Fonte: Exame

Eliane Nóbrega é entrevistada do programa Alma do Negócio, da Rádio Mundial

A empresária Eliane Nóbrega foi a entrevistada desta semana do programa Alma do Negócio, que tem Paola Tucunduva como âncora e é transmitido ao vivo, toda quarta-feira, pela rádio Mundial (FM 95,7 e AM 660).

eliane nobrega paola tucunduva radio mundial alma do negocio

Ao longo de quase 30 minutos, na noite da última quarta-feira (20 de maio), a diretora e fundadora da Nobre Demolidora foi o centro das atenções. Ela falou bastante sobre seu lado empreendedor e como conseguiu transformar sua empresa em uma das mais respeitadas do setor de demolição.

eliane nobrega paola tucunduva radio mundial alma do negocio

Eliane Nóbrega também deu dicas e conversou com os ouvintes da Rádio Mundial. Clique no link abaixo e tenha acesso ao áudio completo da entrevista dada ao programa Alma do Negócio.

Clique para acessar a entrevista na Rádio Mundial

 

Dona do negócio sem férias? Veja 5 dicas para se organizar e também descansar

viagem férias

Enquanto muita gente descansou no fim do ano, vários micro e pequenos empreendedores se viram presos ao negócio próprio. Por não terem a quem entregar temporariamente o comando, para eles, tirar férias, viajar com a família e se desligar do trabalho são possibilidades distantes. Mas isso pode ser bem diferente. Basta apenas se organizar. Veja abaixo cinco dicas dos especialistas para empreendedores planejarem as férias.

1. ELEJA UM SUBSTITUTO

É fundamental treinar e dar autoridade a alguém de confiança para gerenciar o dia a dia da empresa na sua ausência. Nada mais danoso que a falta de um líder. Delegue poderes, mas estipule claramente a autonomia que o substituto terá.

2. RESOLVA AS PENDÊNCIAS

Um mês antes das férias, comece a resolver as pendências mais importantes, como a decisão sobre investimentos, a demissão de algum colaborador ou troca de fornecedores. Não deixe para resolver os problemas em cima da hora ou durante o período de descanso.

3. DEIXE UM DEVER DE CASA

É importante fazer uma análise do que precisa ser feito em sua ausência, estipulando uma meta importante para cada pessoa estratégica. Essa tarefa individual deverá ser realizada sem sua ajuda e os resultados deverão ser mensurados em sua volta. Essa situação acaba sendo uma ótima oportunidade para estimular seus colaboradores.

4. DESLIGUE O CELULAR

Muita gente sai de férias e passa o dia no computador ou ao celular e ainda avisa: “se houver qualquer problema me ligue”, o que significa: “estarei disponível”. Férias servem para descansar e também para treinar as pessoas a trabalhar sem você por perto. Desligue o celular, deixe uma mensagem no e-mail sobre a ausência indicando o nome do responsável e peça para ser acionado apenas na urgência.

5. QUEBRE AS FÉRIAS EM DUAS

Se, mesmo depois de todo o planejamento para sair de férias, você julgar que 30 dias é muito tempo longe da empresa, divida o descanso em dois. Dessa forma, a empresa não sentirá tanto a sua ausência e você poderá descansar e ficar mais despreocupado.

Fonte: UOL Economia

4 dicas para divulgar sua marca com pouco ou nenhum dinheiro

A comunicação de marca é fundamental para o desenvolvimento de um negócio, não importa o seu tamanho. Atualmente, marcas são mais que um logotipo ou uma identidade visual que remete a um produto, serviço ou organização. Marcas representam visões de mundo, valores e significados que precisam ser gerenciados pelas empresas como ativos intangíveis que diferenciam, atraem e trazem valor adicional.

É preciso reconhecer que a comunicação se torna cada vez mais complexa em função do bombardeio de mensagens a que todos estamos submetidos durante todo o dia. Tendo um smartphone com acesso à Internet, existem tecnologias que permitem criar, editar e divulgar conteúdos com fotos, vídeos e textos instantaneamente.

Isto trouxe possibilidades amplas de comunicação que se abriram para todos, beneficiando indivíduos e também as pequenas e médias empresas, que não dispõem dos orçamentos de comunicação de grandes empresas.

dinheiro

Entretanto, é preciso entender que tecnologias são ferramentas que devem ser escolhidas e utilizadas a partir de uma estratégia de comunicação adequada para a marca. O planejamento desta estratégia deve obedecer alguns passos:

1. Saiba com quem você quer falar

Antes de escolher ferramentas e ações de comunicação, é preciso saber quem é seu público, como ele se comporta e o que espera da sua marca. Procure ações focadas no seu alvo e evite dispersão do investimento.

Por exemplo: uma marca que atua e atende a um público de um determinado bairro pode utilizar ações que privilegiem a variável geográfica. Fechar parcerias com estabelecimentos, veículos e entidades da região e reforçando os laços com a comunidade local.

Em muitas ocasiões, o básico e o que parece mais simples podem funcionar melhor ou serem mais adequados ao que a marca precisa num determinado momento.

2. Seja original e fiel à sua identidade

Saiba quem você é para se diferenciar e comunicar sua mensagem de forma relevante e original. Não tente copiar outras empresas e ser o que não é, inclusive em suas estratégias de divulgação. Não é porque seu concorrente utiliza uma rede social ou um determinado veículo de comunicação que você deve usar também.

Não siga receitas de bolo em comunicação, use o mix de ferramentas disponíveis de acordo com os objetivos e estágio de desenvolvimento de sua marca. E saiba que tudo comunica: uma embalagem, um contato telefônico ou atendimento pessoal podem falar mais sobre sua marca do que uma campanha publicitária inteira.

3. Use o digital a seu favor

Há quem diga que o que não está na Internet não existe. Como vimos, o digital representa uma revolução que beneficia as pequenas e médias empresas em sua comunicação. É possível utilizar este ambiente para fins diversos, como atendimento, vendas e divulgação da sua marca.

Insira o digital tanto para pensar em estratégias de mídias pagas como banners e links patrocinados, passando pela criação de perfis em redes sociais como Facebook, YouTube, Twitter, LinkedIn e Instagram.

É possível também entender melhor seu consumidor a partir do que ele está falando sobre a marca de forma espontânea e orgânica. Lembre que a comunicação hoje é feita não só pela marca, mas pelas opiniões de anônimos e do boca a boca digital, de forma colaborativa. Comunicação não é só falar, mas, sobretudo escutar e agir.

4. Integre e seja consistente

Por último, a cada ação planejada, pense em como ela se integra ao que já vem sendo construído a partir dos esforços de comunicação anteriores. As mensagens, ações e formatos evoluem, mas devem ter coerência para não confundir e manter a atratividade.

Lembre-se de que mais do que uma visão quantitativa e imediatista, baseada num grande volume de ações, likes e pessoas impactadas, é preciso ter uma visão qualitativa e de longo prazo, baseada na história que a marca quer contar e no relacionamento que está sendo construído com seu público de interesse.

Um ponto de atenção é para a continuidade das ações, principalmente nas redes sociais. É melhor ter poucos canais da marca, mas que sejam sempre atualizados e monitorados, do que ter vários desatualizados e nos quais os consumidores não recebem respostas às suas solicitações.

Fonte: Exame

Como se tornar uma inspiração para outras mulheres

Julie Katzman, vice-presidente executiva do BID (Banco Interamericano de Desenvolvimento), é uma grande defensora dos direitos das mulheres. Em uma entrevista concedida no ano passado para Pequenas Empresas e Grandes Negócios durante o Womens Forum, ela disse acreditar que um dos fatores que mais pode ajudar a incentivar mulheres a empreender e a subir em suas carreiras é o exemplo de outras mulheres.

inspirar mulher“Se você não vê mulheres ocupando cargos que você gostaria de ocupar é difícil almejar esses cargos. Como você não vê um exemplo, uma referência, você desiste. É preciso mostrar a outras mulheres que existem líderes femininas dirigindo empresas, fundando negócios de sucesso ou sendo astronautas, matemáticas, cientistas”, afirmou Julie na época.

Seguindo o pensamento da vice-presidente do BID, a colaboradora do site Entrepeneur Zeynep Ilgaz publicou uma lista para ajudar mulheres a se tornarem exemplos. “Claramente, o mundo dos negócios não é mais um clube do Bolinha”, diz a empreendedora em sua última coluna. “Mas, infelizmente, o teto de vidro ainda existe e as mulheres continuam a enfrentar desafios que os homens não precisam enfrentar para avançar em suas carreiras.”

Veja 9 conselhos:

1. Fale quando achar que deve

Quanto mais as mulheres falarem sobre suas ideias, suas áreas de especialização e liderança, mais comum se tornará ouvir vozes femininas corajosas no negócio. Quando as empreendedoras se impõem e falam o que pensam incentivam a próxima geração de mulheres a fazer o mesmo.

2. Assuma mais riscos

Ninguém se torna um influenciador jogando na zona de conforto. Mas é comum as mulheres ficarem para trás quando se fala sobre assumir riscos. Ao deixar que o medo do fracasso do lado de fora da empresa, empreendedoras se projetam como líderes confiantes que farão tudo o possível para conquistar suas maiores ambições.

3. Encontre mentores

Uma das melhores maneiras de se tornar um grande líder é de aprender com os outros que já passaram pelo que você está passando. Um mentor pode abrir portas difíceis de serem abertas e guiar você nas decisões difíceis que terá de tomar quando assumir mais riscos.

4. Faça networking

Para conhecer mentores valiosos, amigos e outras mulheres inspiradoras é preciso dar uma chance ao networking. Participar de eventos sociais, grupos de mulheres empreendedoras e conferências sobre a área da sua empresa é importantíssimo. Um novo cartão de visitas pode significar uma nova oportunidade.

5. Aceite feedback

Não importa se o feedback é de um colega, mentor, amigo ou até da família. Uma opinião pode orientar você a fugir de erros e atingir o sucesso com menos sofrimento. Mantenha uma atitude positiva ao ouvir a opinião de outros a respeito de você e da sua empresa e incentive os outros a fazer o mesmo. Uma atitude construtiva pode transformar obstáculos em oportunidades.

6. Seja uma publicitária

Publicidade não é apenas para celebridades. Ao espalhar noticias sobre você e sua empresa, mostrando ideias com paixão (e até certo glamour), uma mulher de negócios pode tornar-se conhecida, estimular seu perfil de líder e mostrar aos outros que eles podem usar suas vozes também.

7. Mostre-se uma profissional

Ter uma imagem profissional não significa andar de terninho e salto alto para todos os lugares. Significa apenas mostrar confiança. Veja bem, quando você se projeta como uma pessoa confiança, ganha o respeito dos outros. E ter o respeito das pessoas é o primeiro passo para se tornar alguém influente.

8. Trabalhe em conjunto

Esforce-se para criar um mundo onde as mulheres mais jovens podem crescer para se tornarem influenciadoras e terem suas vozes ouvidas. Todos precisam trabalhar juntos, toda a comunidade de homens e mulheres. A hora é agora.

9. Use seus talentos

A maior parte das mulheres é ótima em realizar várias tarefas e resolver problemas ao mesmo tempo. Estas qualidades são ótimas ferramentas para posições de liderança. Use o que você tem de melhor.

Fonte: Pequenas Empresas & Grandes Negócios